Clarisse Ferreira. A Estória de uma ‘Mãe Coragem’ e a ‘Família mais bonita de Curitiba’

(...) Depois das horas que são necessárias para atravessar o Atlântico a bordo de um avião, “com uma barriguinha de 7 meses e Simone de 11 anos pela mão”, Clarisse andava pelo aeroporto de Guarulhos em São Paulo “super-carregada”: “fiz tudo sozinha, o Jorge teve que ficar em Portugal, com a Sara e o Gonçalo, para acabar de resolver o que ainda ficou pendente”. “Foi uma loucura”, sorri com os olhos postos num passado que a parece dourar, “só às costas trazia uma mochila de 15 quilos, a Simone carregava um saco com a guitarra que se encheu de livros”.

A aterragem em Curitiba implicava começar tudo do zero. A intenção era continuar no ramo, abrir um negócio de importação, mas no fundo “não sabia o que vinha fazer, apenas que queria mudar”, acabou por ser um passo consumado “numa de aventura” ao estilo “seja o que Deus quiser”. (...)

(Texto publicado na íntegra em Coração Luso)


(Créditos da Foto para Clarisse Ferreira com Edição de Coração Luso)